segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Orson Peter Carrara no programa Transição

Para aqueles que perderam o Programa Transição com a entrevista de Orson Peter Carrara... nada de desespero!!!

Basta acessar o site do Programa: http://www.transicao.tv.br/ e clicar no menu "programas". Lá tem a lista de todos os programas exibidos.

Para acessar diretamente a entrevista do Orson, clique neste link: http://www.transicao.tv.br/videos_transicao/pgm63/PGM63.WMV

sábado, 19 de dezembro de 2009

Cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém!

Lendo um e-mail de um amigo espírita, ele me dizia: “C..., cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém.” E ficamos a pensar em como ele tem razão, pois o que temos visto pelo nosso Brasil é algo extremamente preocupante em relação a determinadas publicações, revelações bombásticas, Espíritos “famosos” se comunicando através de médiuns que não se preocupam em preservar a humildade e a simplicidade e nem mesmo o nome do “morto ilustre”.

Quando H.L.D. Rivail foi publicar O Livro dos Espíritos obra que,
[...] trazia princípios da doutrina espírita, sobre a imortalidade da alma, a natureza dos Espíritos e suas relações com os homens, as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da Humanidade - segundo os ensinos dados por Espíritos superiores  com o concurso de diversos médiuns - recebidos e coordenados 01 por ele, Allan Kardec. [...] (grifos nossos)
não se sabia quem eram os diversos médiuns e ele não teve a preocupação de elencá-los, até porque, sua importância era secundária no grande concerto, como continua sendo e o próprio Rivail, famoso e conhecido em Paris pelos seus trabalhos como pedagogo, decidiu usar um pseudônimo.

Existem médiuns por aí que têm urticária só de pensar em seguir  o exemplo de Francisco Cândido Xavier, como alguns que vivem às expensas da sua obra, dita mediúnica e outros que buscam a notoriedade, esquecidos da célebre lição do saudoso médium mineiro de que “as sereias estão cantando!

O próprio Chico Xavier, nem depois de desencarnado, tem tido um momento de paz e nos lembramos agora do caso de Jobard, narrado por Kardec:
[...] 8. - Já vos tendes comunicado em outra parte? - R. Pouco me tenho comunicado. Em muitos  lugares um Espírito tomou-me o nome; [...] Quando morre um homem um tanto conhecido, é chamado de todos os lados e inúmeros Espíritos se dão pressa de apossar-se da sua individualidade. Eis o que comigo se tem passado em muitos casos. Asseguro-vos que, logo após ao desprendimento, poucos Espíritos podem comunicar-se, mesmo por um médium predileto. 02 [...]
Não questionamos aqui se eles podem ou não se comunicar. Poder podem sim, mas em quais
condições? Porque essa vaidade de determinados médiuns em sempre receber comunicações

de Espíritos sublimes, elevados, gênios ou grandes nomes da Terra? Por incrível que possa parecer, existem determinados dirigentes de reuniões mediúnicas que não permitem a manifestação de Espíritos sofredores nas reuniões de atendimento, como se ele fossem ou estivessem aptos a decidir quem pode ou não se comunicar. Esse trabalho é dos Espíritos Mentores da reunião. Exigem que os médiuns só recebam mensagens de Espíritos Elevados e aí vem a extensa lista de mistificações: Sheilla, André Luiz, Emmanuel, Bezerra, Maria de Nazaré, Jesus Cristo... opa! Vamos parar por aqui, senão o próprio Deus entra na lista. E isso já aconteceu várias vezes e um dos casos é narrado por Kardec:
[...] Um desses se comunicou a  um médium, dizendo-se Deus, e o médium, honrado com  tão alta distinção, não hesitou em acreditá-lo. Evocado por nós, não ousou sustentar a sua impostura e disse: Não sou Deus, mas  sou seu filho. - És então Jesus? Isto não é provável, porquanto Jesus está muito altamente colocado para empregar um subterfúgio. Ousas, não  obstante, afirmar que és o Cristo? - Não digo que sou Jesus; digo que sou filho de Deus, porque sou uma de suas criaturas.[...] 03
Ao topar de frente com Kardec, “abriu da parada”! (me perdoem a expressão vulgar,  mas sendo imperfeito como sou, não resisti à tentação!).

Divaldo Franco esperou 10 anos para saber quem era o Espírito Amigo que o auxiliava nas tarefas  mediúnicas e Joanna de Angelis não brinca em serviço com o Divaldo, o mesmo ocorrendo com Emmanuel em relação ao Chico. Chegamos a ficar de boca aberta com os modos de Emmanuel  com Chico, pois que ele, Emmanuel, sabia as razões de tão árdua disciplina ao ponto de repreender Chico que se comparou a um verme:
[...] Não passo de um verme no mundo. No mesmo instante, ouviu a voz de Emmanuel: Não  insulte o verme. Ele funciona, ativo, na transmutação dos detritos da terra, com extrema fidelidade ao papel de humilde e valioso servidor da natureza. Ainda nos falta muito  para sermos fiéis a Deus em nossa missão.  Daí em diante, Chico preferiu se definir, de vez em quando, como subverme.[...] 04
Alguém aí se dispõe a ter um mentor assim? Nós que não! Não estamos aqui dizendo que A ou B está mistificando. Por favor, não ponham letras em nosso texto (para não dizer palavras em nossa boca)! Em relação a este assunto, temos a nossa opinião já formada e nos reservamos o direito de somente dizer aos mais chegados a nós, em conversas mais íntimas, para não ferir a suscetibilidade de seu ninguém. O que queremos chamar a atenção é para o retorno às origens com Allan Kardec, que buscou ocultar-se para que o Espiritismo desse seu primeiro passo no mundo físico,  pois a Doutrina é dos Espíritos para os homens e não o contrário:
[...] Não olvideis que podeis vencer, como podeis falir; neste último caso, um outro te substituiria, porque os desígnios do Senhor não repousam sobre a cabeça  de um homem. Não fales, pois, jamais da tua missão: esse seria o meio de fazê-la fracassar. Ela não pode ser justificada senão pela obra realizada, e ainda  nada fizeste. Se a cumprires, os homens te reconhecerão, cedo ou tarde, eles mesmos, porque é pelos  frutos que se reconhece a qualidade da árvore.[...] 05 (grifos nossos)
Daí porque os médiuns, as Casas Espíritas e as editoras precisam ter cautela m suas publicações, principalmente se trazem revelações bombásticas, porque ainda lembramos de Yvonne do Amaral Pereira que guardou os manuscritos de Memórias de Um Suicida por 20 anos!

Então, sejamos cuidadosos, pois cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém!

01 - KARDEC, Allan. OLivro dos Espíritos, Rio de Janeiro: Ed. FEB , 2002
02 - KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno, 2ª parte, Cap. II, Jobard, nº 8  RJ: Ed FEB 2002, p.188,
03  -KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns, 2ª parte, Cap. XXIV – Identidade dos Espíritos, nº 259, 329 , RJ; Ed FEB,2002,
04  - MAIOR, Marcel Souto. As Vidas de Chico Xavier, 2ª edição SP: Ed Planeta, 2003.
05 - KARDEC, Allan. Obras Póstumas, Minha Missão, RJ: Ed FEB, 2001

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Novo livro de Wellington Balbo e Orson Peter Carrara

arena

Sinopse: Um romance em parceria pelos conhecidos escritores e palestrantes Wellington Balbo e Orson Peter Carrara. O primeiro escreveu o romance nos capítulos ímpares e o segundo comenta doutrinariamente a temática do romance nos capítulos pares.A trama relata o cotidiano de uma empresa, especialmente no conflito entre os funcionários e na acirrada disputa por cargos. Um funcionário exemplar é demitido por trapaça moral de um colega, com desdobramentos próprios, onde virtudes e imperfeições morais surgem no debate das ideias. Com a lógica da Doutrina Espírita, os autores relatam e comentam as ocorrências vividas pelos personagens.

Adquira seu exemplar nas distribuidoras

domingo, 6 de dezembro de 2009

Momentos de Crise por Orson Peter Carrara.

O Espírito Erasto, em mensagem intitulada Os conflitos (1), que motivou-me, inclusive, à elaboração de outros dois artigos: Caos momentâneo e Que vos importam os médiuns? ...comenta a expansão do pensamento espírita junto à mentalidade humana, propiciando que se engrossem as fileiras dos adeptos do Espiritismo. E afirma na seqüência: “(...) em razão do número de adeptos, deslizam sob falsas máscaras os pseudo-irmãos (...)”, acrescentando “(...) são esses hipócritas perigosos, aos quais, à primeira vista, se é tentado a conceder toda a confiança. (...)”. Em texto valioso refere-se ao comportamento falso, de aparência amiga pela frente e de acusações pelas costas, ou de manobras que acusam, que caluniam, destruindo iniciativas, fomentando intrigas e mesmo manchando a honra de trabalhadores honestos e dedicados.

Por outro lado, acusados e caluniados, por sua vez, também – até mesmo para evitarem tais situações –, conforme elucida o espírito “(...) tenho razão de vos aconselhar a agir, de agora em diante, com extrema reserva e de vos guardar de toda imprudência e de todo entusiasmo irrefletido. (..)”.

E acrescenta, com sabedoria, para nossa reflexão: “(...) estais num momento de crise, dificultado pela malevolência, mas do qual saireis mais fortes com a firmeza e a perseverança. (...)”.

Ora, tais orientações nos concitam a todos a uma atitude de cuidado, de extrema prudência. Somos todos muito observados e cuidadosamente acompanhados para sermos flagrados em descuido para que os planos traçados por aqueles que lutam contra o progresso, que tentam emperrar, sejam levados adiante com crises morais, com a decadência da dedicação e dos cuidados recomendados pelo Evangelho. É hora, pois, de cuidado. Tanto no comportamento que adotamos no trabalho que assumimos e levamos adiante, quanto nas escolhas que fazemos, muitas vezes de crítica ácida a outros companheiros ou de discriminação, desprezo, ao esforço alheio. Notemos que é um emaranhado de ligações que exigem prudência, cuidado e principalmente compaixão, amor, compreensão, estímulo, tolerância mútua. Estamos todos, aqueles que nos consideramos sinceros no objetivo das propostas de Jesus, convidados ao amor, à caridade em seu amplo sentido.

E isso envolve principalmente respeito para com o outro, seja quem for...

Prossegue Erasto: “(...) O número de médiuns é hoje incalculável e é desagradável ver que alguns se julgam os únicos chamados a distribuir a verdade ao mundo e se extasiam ante banalidades que consideram monumentos (...)”.

Eis a expressão chave como causa dos enganos todos que se distribuem: se julgam os únicos a distribuir a verdade ao mundo e se extasiam ante banalidades que consideram monumentos.

Que perigo, meu Deus!

O perigo da fascinação, que engendra separações, que nos ilude com facilidade e nos precipita em decisões desastrosas que nos custarão no futuro dores acerbas resultantes de equívocos lamentáveis do presente que bem poderiam ser evitados, se fôssemos mais prudentes, atentos e cuidadosos com o patrimônio de conhecimento que já detemos.

As armadilhas do orgulho, da sensualidade, da vaidade, aí estão. Nenhum de nós dela está imune. Estamos todos sujeitos a esses precipícios. Estejamos atentos através da perseverança no trabalho e na prece que nos sustenta, mas principalmente respeitando a Doutrina que nos irmana. Isso evitará a continuidade dos desastres que assistimos, com pesar.

1 –Recebida em 25/02/1863 e constante do livro A Obsessão, páginas 209 a 215 da 6ª. edição Editora O Clarim.

sábado, 31 de outubro de 2009

Finados

A origem do dia de Finados nos leva ao ano de 998, há mais de 1.000 anos, quando o abade da Ordem dos Beneditinos em Cluny, França, instituiu em todos os mosteiros da Ordem naquele país a comemoração dos mortos no dia 2 de novembro, culto que a Santa Sé aplaudiu e oficializou para todo o Ocidente.

Como sabemos, é um dia especial para os católicos, dia em que é costume a ida aos cemitérios para uma reverência especial aos entes queridos que partiram.
Se existem pessoas que o observam somente para atender a uma tradição, há pessoas que, inequivocamente, dedicam esse dia a uma espécie de reencontro espiritual com seus amados.

E os chamados mortos? Eles se sensibilizam com tais lembranças?

O Espiritismo afirma-nos que sim.

Ficam eles contentes e sensibilizados com a lembrança dos seus nomes. Se são pessoas felizes, essa lembrança aumenta ainda mais sua felicidade; se são infelizes, o fato constitui para eles um alívio.
No dia consagrado aos mortos, eles atendem ao apelo do pensamento dos que buscam orar sobre seus despojos, como em qualquer outro momento. Nesse dia, os cemitérios ficam repletos de Espíritos, mais do que em outros dias, porque há evidentemente em tal ocasião um número maior de pessoas que os chamam.
É um erro, porém, pensar que é a multidão de curiosos que os atrai ao campo santo. Não. Cada um que ali comparece age assim por causa de seus amigos e não pela reunião dos indiferentes que, muitas vezes, visitam os cemitérios como maneira de passar o tempo.
Reportando-se ao dia de Finados, Charles Nodier (Espírito) explica que nessa data os Espíritos vão aos cemitérios porque os pensamentos e as preces dos seres amados ali se apresentam. E aproveita para nos deixar – a nós que ainda estamos encarnados – uma lição preciosa: "Conforme a maneira por que tiverdes vivido aqui embaixo, sereis recebidos perante Deus. Que é a vida, afinal de contas? Uma curtíssima emigração do Espírito na Terra; tempo, entretanto, em que pode amontoar um tesouro de graças ou preparar-se para cruéis tormentos". (Revista Espírita de 1860, pág. 408.)
Segundo o que aprendemos no Espiritismo, não é indispensável comparecer ao cemitério para homenagear o ente querido que partiu. A visita ao túmulo é um modo de manifestar que se pensa no Espírito ausente – serve de imagem –, mas é a prece que santifica o ato de lembrar, pouco importando o lugar, se ela é ditada pelo coração.
Isso significa que as pessoas impedidas de locomover-se, seja pelas condições de saúde, seja pela idade avançada, poderão enviar pelas ondas poderosas do pensamento o seu abraço, a sua vibração, o seu carinho aos entes queridos que voltaram à pátria espiritual antes de nós.

Espiritismo na TV Globo

Como desdobramento da série "Fantástico" que a TV Globo tem levado ao ar (2a. a 6a. feira, às 6h05 e domingo, às 6h50), o programa "Mais Você", da apresentadora Ana Maria Braga, tem feito entrevistas com os apresentadores de cada religião. No dia 6 de novembro - 6a. feira, a partir das 8h30,- será a vez de focalizar o Espiritismo com a participação do ator Carlos Vereza e entrevista com o diretor da FEB Cesar Perri. (foto)

Fonte: Site da Federação Espírita Brasileira - acesso em 31/10/2009 às 10:31h.


LANÇAMENTO DVD SEMENTE ACUSTICO, 10 ANOS!

Nos dias 7 e 8 de novembro, no FORUM DE DEBATES ESPÍRITAS DE PERNAMBUCO - FORESPE 2009, no Centro de Convenções, em Olinda/PE, não perca!!!

Para conhecer mais sobre o Grupo Semente, acesse o site: http://www.gruposemente.com/.

Música Espírita de qualidade!

sábado, 24 de outubro de 2009

Apometria não é Espiritismo

Obsessor e obsidiado são criaturas enfermas que precisam do carinho e da atenção dos que se dedicam à desobsessão; se estes ingredientes faltarem, estaremos diante de algo que difere do Espiritismo codificado por Kardec.

Um dos meus irmãos consanguíneos mais queridos, que desencarnou em Curitiba dez anos atrás, foi durante certo tempo entusiasta das ideias do Dr. José Lacerda acerca da apometria, um termo que poucos conheciam àquela época e que, obviamente, não suscitava as discussões que hoje se tornaram frequentes no meio espírita.

Passando alguns dias em sua casa, o que era então muito comum em face dos meus compromissos profissionais, pude ler o que, segundo meu irmão, era a obra mais importante do Dr. Lacerda acerca do assunto. A leitura exigiu poucas horas, mas me deixou intrigado porque a ritualística então sugerida feria um dos princípios conhecidos da prática espírita, que é a completa ausência de rituais. Minha estranheza inicial decorria do fato de que, no tocante ao tema desobsessão, além de todas as obras que falam com profundidade sobre o método e a finalidade da prática espírita, ninguém pode ignorar a singeleza do que Kardec escreveu, primeiro na Revista Espírita, depois em O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. 28, itens 81 e seguintes.

A metodologia espírita, exposta ali pelo Codificador, é por demais simples e pode ser resumida num conceito conhecido: - Não se resolve o problema da obsessão sem cuidarmos do agente e do paciente. A proposta exorcista, tão comum em certa época no meio católico e no seio das igrejas protestantes, é absolutamente ineficaz, como ineficaz é a prática umbandista quando pretenda tão-somente o afastamento dos litigantes.

Sintetizando o que inúmeros autores já escreveram, Suely Caldas Schubert nos diz em sua obra Obsessão/Desobsessão (1ª Parte, cap. 14, págs. 76 e 77) que para atendermos ao obsidiado é necessário socorrer simultaneamente toda a falange de algozes que o cerca. Aos poucos essas entidades menos felizes são atraídas para a reunião de desobsessão, de tal modo que, quando o chefe da turba se comunica, quase todos os seus prepostos já foram atendidos e encaminhados.

Obsessor e obsidiado são criaturas enfermas e, como tal, merecem o carinho e a atenção dos que se dedicam a esse mister. Se estes ingredientes faltarem à prática desobsessiva, estaremos diante de outra coisa, mas não do Espiritismo codificado por Kardec.

As práticas da apometria estão em total desacordo com as recomendações de O Livro dos Médiuns

Eis o que o conhecido confrade Divaldo Franco disse sobre a Apometria, em palestra proferida em agosto de 2001, conforme registrado pelo programa Presença Espírita da Rádio Boa Nova, disponível em http://www.oespiritismo.com.br/textos/ver.php?id1=91 na internet:

“O médico carioca residente em Porto Alegre Dr. José Lacerda desde os anos 50, espírita que era então, começou a realizar numa pequena sala do Hospital Espírita de Porto Alegre, chamada A Casa do Jardim, atividades mediúnicas normais. Com o tempo ele recebeu instruções dos Espíritos e realizou investigações pessoais que desaguaram em um movimento ao qual ele deu o nome de Apometria.

Não irei entrar no mérito nem no estudo da apometria porque eu não sou apômetra, eu sou espírita. O que posso dizer é que a apometria, segundo os apômetras, não é Espiritismo, porquanto as suas práticas estão em total desacordo com as recomendações de O Livro dos Médiuns.

Não examinaremos aqui o mérito ou demérito porque eu não pratico a apometria, mas, segundo os livros que têm sido publicados, a apometria, segundo a presunção de alguns, é um passo avançado do movimento espírita no qual Allan Kardec estaria ultrapassado. Allan Kardec foi a proposta para o século XIX e para parte do século XX e a apometria é o degrau mais evoluído no qual Allan Kardec encontra-se totalmente ultrapassado – tese com a qual, na condição de espírita, eu não concordo em absoluto.

Na prática e nos métodos de libertação dos obsessores, a violência que ditos métodos apresentam, a mim, a mim pessoalmente, me parece tão chocante que faz recordar-me da lei de Talião que Moisés suavizou com o código legal e que Jesus sublimou através do amor.

Quando as entidades são rebeldes, os doutrinadores, depois de realizarem uma contagem cabalística ou de terem o gestual muito específico, expulsam pela violência esse Espírito para o magma da Terra, a substância ainda em ebulição do nosso planeta.”

A Casa Espírita não é uma clínica alternativa, onde toda experiência nova vai colocada em execução

“Colocam-no – prossegue Divaldo – em cápsulas espaciais e o disparam para o mundo da erraticidade. Não iremos examinar a questão esdrúxula desse comportamento, mas se eu, na condição de Espírito imperfeito que sou, chegasse desesperado num lugar pedindo misericórdia e apoio na minha loucura, e outrem, o meu próximo, me exilasse para o magma da Terra, para eu experimentar a dureza de um inferno mitológico ou ser desintegrado, eu renegaria aquele Deus que inspirou esse adversário da compaixão.

Ou se me mandasse numa cápsula espacial para que fosse expulso da Terra. Com qual autoridade? Quando Jesus disse que o seu reino é dos miseráveis.

Na parábola do Festim de Bodas, ele manda buscar os mendigos, aqueles que estão nos lugares escabrosos já que os eleitos recusaram e mataram os seus embaixadores.

A Doutrina Espírita centraliza-se no amor e todas essas práticas novas, das mentalizações, das correntes mentomagnéticas, psicotelérgicas, para nós espíritas merecem todo respeito, mas não têm nada a ver com Espiritismo. Seria o mesmo que as práticas da Terapia de Existências Passadas nós realizarmos dentro da casa espírita ou da cromoterapia ou da cristalterapia, fugindo totalmente da nossa finalidade.

A Casa Espírita não é uma clínica alternativa, não é lugar onde toda experiência nova vai colocada em execução.

Tenho certeza de que aqueles que adotam esses métodos novos, primeiro, não conhecem as bases kardequianas e, ao conhecerem-nas, nunca as vivenciaram para terem certeza. Isso seria desmentir todo o material revelado pelo mundo espiritual nestes 144 anos de codificação, no Brasil e no mundo, pela mediunidade incomparável de Chico Xavier, as informações que vieram por esse médium ímpar, pela notável Yvonne do Amaral Pereira, por Zilda Gama, por tantos médiuns nobres conhecidos e nobres desconhecidos no seu trabalho de socorro.

Então se alguém prefere a apometria, divorcie-se do Espiritismo. É um direito! Mas não misture para não confundir. A nossa tarefa é de iluminar, não é de eliminar. O Espírito mau, perverso, cruel, é nosso irmão na ignorância.”

Os métodos da apometria são bastante chocantes para a nossa mentalidade espírita

Na parte final de sua fala, Divaldo assim se expressou:

“Poderia haver alguém mais cruel do que o jovem Saulo de Tarso? Ele havia assassinado Estêvão a pedradas, havia assassinado outros, e foi a Damasco para assassinar Ananias. Jesus não o colocou numa cápsula espacial e o disparou para o infinito. Apareceu a ele! Conquistou-o pelo amor: ‘Saulo, Saulo, por que me persegues?’ Pode haver maior ternura nisso? E ele tomado de espanto perguntou: ‘Que é isto?’ ‘– Eu sou Jesus, aquele a quem persegues’. E ele então caiu em si.

Emmanuel usa esta frase: E caindo em si, quer dizer aquela capa do ego cedeu lugar ao encontro com o ser profundo, caindo em si. Ele despertou, e graças a ele nós conhecemos Jesus pela sua palavra, pelas suas lutas, pelo alto preço que pagou, apedrejado várias vezes até ser considerado morto, jogado por detrás dos muros nos lugares do lixo, dos dejetos ele foi resgatado pelos amigos e continuou pregando.

Então os Espíritos perversos merecem nossa compaixão e não nosso repúdio. Coloquemo-nos no lugar deles.” (...) “Não temos nada contra a Apometria, as correntes mentomagnéticas, aquelas outras de nomes muito esdrúxulos e pseudocientíficos. Não temos nada. Mas, como espíritas, nós deveremos cuidar da proposta Espírita. E da minha condição de espírita exercendo a mediunidade há mais de 54 anos, os resultados têm sido todos colhidos da árvore do amor e da caridade.

Não entrarei no mérito dos métodos, que são bastante chocantes para a nossa mentalidade espírita, que não admite ritual, gestual, gritaria, nem determinados comportamentos, porque a única força é aquela que vem de dentro. Para esta classe de Espíritos são necessários jejum e oração.”

Fonte:
ASTOLFO O. DE OLIVEIRA FILHO
Londrina, Paraná (Brasil)

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Revista Reformador da FEB no Portal Garanhuns Espírita

Inserimos, para download, a coleção da Revista Espírita Reformador do ano de 2006 no Portal Garanhuns Espírita.

Os arquivos estão em PDF. Em breve serão incluidos os anos seguintes.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Grupo Semente de Música Espírita abre vaga para novos integrantes

Olá, amigos e amigas! O Grupo Semente de Música Espírita informa que está abrindo seleção para a inclusão de dois novos integrantes em seu quadro. Uma das vagas é especificamente para um vocal feminino. Estamos precisando também de um instrumentista que toque violão e/ou percussão.


Lembramos que o trabalho do Grupo Semente é o de divulgar os ensinos de Jesus utilizando a música como esse instrumento, sendo acima de tudo, um trabalho com características energética e harmônica. Por isso, alguns pré-requisitos se fazem necessários àqueles que desejarem se integrar ao nosso trabalho:
- ter idade mínima de 18 anos;
- musicalidade;
- estar engajado em alguma instituição do movimento Espírita;
- ter afinidade com a proposta do Grupo;
- responsabilidade e freqüência com o trabalho;
- disponibilidade para viajar.

O “Semente” ensaia às segundas-feiras à noite, das 19h30 às 21h40, em Jardim Atlântico, Olinda. Importante ressaltar que é um trabalho filantrópico, onde nenhum integrante recebe qualquer pagamento pelo que faz. Apesar dessa característica, todos os componentes possuem compromisso com o trabalho abdicando, quando necessário, de finais de semana ou momentos de lazer.

O que recebemos em troca? O prazer de servir, um aprendizado constante acerca de nós mesmos e da doutrina, a criação de laços de afeto e amizade entre seus integrantes e, muitas alegrias sempre que levamos a mensagem de Jesus aos corações abertos para recebê-la.

Se você deseja se integrar a essa família baixe o formulário clicando aqui, preencha e o encaminhe para os e-mails: awtorres@hotmail.com / eladioleo@gmail.com.

Lembramos que todos os interessados passarão por um período de experiência com o grupo, sem compromisso, possivelmente nos meses de novembro, dezembro e janeiro.

Um grande abraço!

Grupo Semente de Música Espírita 

sábado, 3 de outubro de 2009

Conheça o Espiritismo


Conheça o Espiritismo

ESPIRITISMO, UMA NOVA ERA PARA A HUMANIDADE


DEUS,

INTELIGÊNCIA SUPREMA,
CAUSA PRIMEIRA DE TODAS AS COISAS


JESUS,

O GUIA E MODELO


KARDEC,

A BASE FUNDAMENTAL


- O LIVRO DOS ESPÍRITOS - Clique aqui e baixe-o para seu PC ou clique aqui e acesse-o em html.

- O LIVRO DOS MÉDIUNS - Clique aqui e baixe-o para seu PC ou clique aqui e acesse-o em html.

- O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - Clique aqui e baixe-o para seu PC ou clique aqui e acesse-o em html.

- O CÉU E O INFERNO - Clique aqui e baixe-o para seu PC.

- A GÊNESE
- Clique aqui e baixe-o para seu PC ou clique aqui e acesse-o em html.



"FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO"

Caridade: benevolência para com todos, indulgência para
as imperfeições dos outros, perdão das ofensas. (LE, 886)

Conselho Espírita InternacionalFederação Espírita Brasileira

DOUTRINA ESPÍRITA ou ESPIRITISMO
O que é
  • É o conjunto de princípios e leis, revelados pelos Espíritos Superiores, contidos nas obras de Allan Kardec que constituem a Codificação Espírita: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese.

  • “O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal.” Allan Kardec (O que é o Espiritismo – Preâmbulo)


  • “O Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador prometido: conhecimento das coisas, fazendo que o homem saiba donde vem, para onde vai e por que está na Terra; atrai para os verdadeiros princípios da lei de Deus e consola pela fé e pela esperança.” Allan Kardec (O Evangelho segundo o Espiritismo – cap. VI – 4)
O que revela
  • Revela conceitos novos e mais aprofundados a respeito de Deus, do Universo, dos Homens, dos Espíritos e das Leis que regem a vida.


  • Revela, ainda, o que somos, de onde viemos, para onde vamos, qual o objetivo da nossa existência e qual a razão da dor e do sofrimento.

Sua abrangência

  • Trazendo conceitos novos sobre o homem e tudo o que o cerca, o Espiritismo toca em todas as áreas do conhecimento, das atividades e do comportamento humanos, abrindo uma nova era para a regeneração da Humanidade.

  • Pode e deve ser estudado, analisado e praticado em todos os aspectos fundamentais da vida, tais como: científico, filosófico, religioso, ético, moral, educacional, social.

Seus ensinos fundamentais

  • Deus é a inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas. é eterno, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom.


  • O Universo é criação de Deus. Abrange todos os seres racionais e irracionais, animados e inanimados, materiais e imateriais.

  • Além do mundo corporal, habitação dos Espíritos encarnados, que são os homens, existe o mundo espiritual, habitação dos Espíritos desencarnados.

  • No Universo há outros mundos habitados, com seres de diferentes graus de evolução: iguais, mais evoluídos e menos evoluídos que os homens.

  • Todas as leis da Natureza são leis divinas, pois que Deus é o seu autor. Abrangem tanto as leis físicas como as leis morais.

  • O homem é um Espírito encarnado em um corpo material. O perispírito é o corpo semimaterial que une o Espírito ao corpo material.

  • Os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Constituem o mundo dos Espíritos, que preexiste e sobrevive a tudo.

  • Os Espíritos são criados simples e ignorantes. Evoluem, intelectual e moralmente, passando de uma ordem inferior para outra mais elevada, até a perfeição, onde gozam de inalterável felicidade.

  • Os Espíritos preservam sua individualidade, antes, durante e depois de cada encarnação.

  • Os Espíritos reencarnam tantas vezes quantas forem necessárias ao seu próprio aprimoramento.

  • Os Espíritos evoluem sempre. Em suas múltiplas existências corpóreas podem estacionar, mas nunca regridem. A rapidez do seu progresso intelectual e moral depende dos esforços que façam para chegar à perfeição.

  • Os Espíritos pertencem a diferentes ordens, conforme o grau de perfeição que tenham alcançado: Espíritos Puros, que atingiram a perfeição máxima; Bons Espíritos, nos quais o desejo do bem é o que predomina; Espíritos Imperfeitos, caracterizados pela ignorância, pelo desejo do mal e pelas paixões inferiores.

  • As relações dos Espíritos com os homens são constantes e sempre existiram. Os bons Espíritos nos atraem para o bem, sustentam-nos nas provas da vida e nos ajudam a suportá-las com coragem e resignação. Os imperfeitos nos induzem ao erro.

  • Jesus é o guia e modelo para toda a Humanidade. E a Doutrina que ensinou e exemplificou é a expressão mais pura da Lei de Deus.

  • A moral do Cristo, contida no Evangelho, é o roteiro para a evolução segura de todos os homens, e a sua prática é a solução para todos os problemas humanos e o objetivo a ser atingido pela Humanidade.

  • O homem tem o livre-arbítrio para agir, mas responde pelas conseqüências de suas ações.

  • A vida futura reserva aos homens penas e gozos compatíveis com o procedimento de respeito ou não à Lei de Deus.

  • A prece é um ato de adoração a Deus. Está na lei natural e é o resultado de um sentimento inato no homem, assim como é inata a idéia da existência do Criador.

  • A prece torna melhor o homem. Aquele que ora com fervor e confiança se faz mais forte contra as tentações do mal e Deus lhe envia bons Espíritos para assisti-lo. é este um socorro que jamais se lhe recusa, quando pedido com sinceridade.

--- o ---

PRÁTICA ESPÍRITA

  • Toda a prática espírita é gratuita, como orienta o princípio moral do Evangelho: “Dai de graça o que de graça recebestes”.


  • A prática espírita é realizada com simplicidade, sem nenhum culto exterior, dentro do princípio cristão de que Deus deve ser adorado em espírito e verdade.

  • O Espiritismo não tem sacerdotes e não adota e nem usa em suas reuniões e em suas práticas: altares, imagens, andores, velas, procissões, sacramentos, concessões de indulgência, paramentos, bebidas alcoólicas ou alucinógenas, incenso, fumo, talismãs, amuletos, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais ou quaisquer outros objetos, rituais ou formas de culto exterior.

  • O Espiritismo não impõe os seus princípios. Convida os interessados em conhecê-lo a submeterem os seus ensinos ao crivo da razão, antes de aceitá-los.

  • A mediunidade, que permite a comunicação dos Espíritos com os homens, é uma faculdade que muitas pessoas trazem consigo ao nascer, independentemente da religião ou da diretriz doutrinária de vida que adotem.

  • Prática mediúnica espírita só é aquela que é exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã.

  • O Espiritismo respeita todas as religiões e doutrinas, valoriza todos os esforços para a prática do bem e trabalha pela confraternização e pela paz entre todos os povos e entre todos os homens, independentemente de sua raça, cor, nacionalidade, crença, nível cultural ou social. Reconhece, ainda, que “o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza”.

--- o ---

“Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei.”

--- o ---

“Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.”

--- o ---

O estudo das obras de Allan Kardec é fundamental
para o correto conhecimento da Doutrina Espírita.
Todos que desejarem podem solicitar o material informativo "Divulgue o Espiritismo" e "Conheça o Espiritismo" à FEB pelo e-mail secretaria@febrasil.org.br . Estes lhes serão enviados gratuitamente.



Fonte: Material informativo extraído do Site da Federação Espírita Brasileira - http://www.garanhunsespirita.com.br/modules.php?name=Web_Links&l_op=visit&lid=1

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

III Feira do Livro Espírita de Garanhuns

III Feira do Livro Espírita realizar-se-á no mês de novembro: de 09 a 14/11/2009, como sempre, no espaço Colunata.

Conforme aviso de Valdete, Presidente da Seara Espírita Chico Xavier e coordenadora da Feira do Livro Espírita de Garanhuns, a II Feira será realizada no período de 09 a 14/11/2009, no espaço Colunata, no centro da cidade.

Este ano, teremos a realização de palestra com Sueli Mesquita, no Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcante, no dia 07/11/2009 às 20:00h.

Serão vários livros disponíveis a preços ótimos, pois o objetivo é divulgar a Doutrina Espírita.

Fonte: Garanhuns Espírita

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Áudios das palestras da 41ª Semana Espírita de Garanhuns

Já está disponível os áudios das palestras realizadas na 41ª Semana Espírita de Garanhuns. Clique aqui para acessar.

Para maiores detalhes, acesse o blog de Dedé Seixas: http://www.dedesixas.blogspot.com/

domingo, 27 de setembro de 2009

41ª Semana Espírita de Garanhuns divulgada na Revista O Consolador

A revista eletrônica O Consolador, do Paraná, está divulgando, em sua edição de 126 de 27/09/2009 a programação da Semana Espírita de Garanhuns.

Para acessar, clique aqui: http://www.oconsolador.com.br/ano3/126/movimentoespiritabrasileiro.html

Meu agradecimento ao Cristo e à Seara Chico Xavier...

Ouvi, durante uma palestra do ENGAJE, ano passado, um orador afirmar que não poderia deixar de agradecer, ter sido chamado para façar de Jesus de Nazaré. De fato.

Ontem (26/09/2009) fiz a palestra de abertura da 41ª Semana Espírita de Garanhuns e, ao final, emocionado, embora guradando para mim tal emoção, só fazia agradecer a Jesus pela oportunidade de falar sobre ele.

Sou, certamente, o menor dos menores e digo isso sem falsa modéstia e muito menos querendo transparecer uma humildade que estou longe de possuir, mas, determindas pessoas que me conhecem entenderão perfeitamente o que quero dizer.

Este post é apenas com o intuito de agradecer ao Cristo pela grande bênção que me deu ontem à noite.

Quero também, externar meu agradecimento à Valdete, presidente da Seara Espírita Chico Xavier, pela oportunidade única que tive de abrir a Semana Espírita de minha tão querida cidade e poder falar D'Ele, a esperança de todos os infortuados e infelizes deste mundo: JESUS, NOSSO MODELO E GUIA.

Quero informar que já está disponível o PPS que utilizei na palestra (coisa simples...) no Portal Garanhuns Espírita, cujo link você acessa por aqui também.

sábado, 26 de setembro de 2009

EXPRESSÃO ESPÍRITA - 443 downloads

Expressão Espírita – Reunindo temas do cotidiano à luz da imortalidade — mais de 440 downloads! — até a data de hoje, 26/09/2009 às 10:00h.


Ao reunirmos nossos artigos em um e-book, tínhamos a esperança que pudesse ser mais facilmente lido e divulgado, porque os artigos estavam esparsos neste site e no Palmeira Espírita.
Além dos downloads neste portal, temos também a divulgação do livro através do site do Grupo Espírita União, do site Palmeira Espírita e também disponibilizamos no 4Shared.
Abaixo veja as estatísticas dos dowloads, cujos links podem ser livre e gratuitamente disponibilizados:

Site

Formato

Downloads

Garanhuns Espírita

309

82

20

4 Shared

11

Palmeira Espírita

21

TOTAL

443

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

MOSTRA ESPÍRITA DO AGRESTE CENTRO MERIDIONAL II

A Federação Espírita Pernambucana e a Associação Espírita Mensageiros do Bem, da cidade de São Bento do Una - PE, realizarão a MOSTRA ESPÍRITA DO AGRESTE CENTRO MERIDIONAL II nos dias 10 e 11 de outubro do corrente ano.PROGRAMAÇÃO DO EVENTO:
PALESTRA PÚBLICA
Dia 10/10/2009
Horário: 20:00h às 21:00h
Local: Câmara Municipal dos Vereadores de São Bento do Una (próximo ao fórum - Av. Manoel Cândido, 729
Expositor: Representante da Federalção Espírita Pernambucana

xxxxx

Reunião do Conselho de Adesos do Agreste Centro Meridional IIDia 11/10/2009
Horário: 09:00h às 12:00h
Local: Associação Espírita Mensageiros do Bem - Casa Bezerra de Menezes
Pùblico alvo: Dirigentes das casas Espíritas

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Programação da 41ª Semana Espírita de Garanhuns - PE

Segue a programação da 41ª Semana Espírita de Garanhuns - PE.



(*) Clique no link do nome para conhecer o site.

DATA

LOCAL

ORADOR

TEMA

26/09 - sábado

Seara Espírita Chico Xavier

Cláudio Luciano

Jesus, Modelo e Guia

27/09 - domingo

Centro Espírita Paulo de Tarso

Aurélio Muniz

Jesus e os nossos desafios

28/09 - segunda

Seara Espírita Allan Kardec

Lourenço Barros

Jesus, o Psicoterapeuta

29/09 - terça

Luciano Fábio

Viver para Jesus

30/09 - quarta

Seara Espírita Caridade

Geceraldo Siqueira

O Evangelho Educa Corações

01/10 - quinta

Centro de Estudo e Difusão Espírita Joanna de Angelis - CEDE

João Alexandre

Advento do Espirito de Verdade

02/10 - sexta

Centro Espírita Deus, Amor e Caridade

Marinalva Almeida

Jesus, Modelo e Guia

03/10 - sábado

Sociedade Garanhuense de Estudos Espíritas - Casa Bezerra de Menezes

Álvaro Moreira

Jesus, Modelo e Guia

domingo, 13 de setembro de 2009

Más Palestras

Não, amigo leitor, não vamos aqui comentar a assertiva paulina 01, mas falar justamente de determinadas palestras que mais assustam do que esclarecem ou consolam.

Certo dia, determinada pessoa nos procurou e nos disse que tinha ido ao Centro Espírita assistir a uma palestra e saiu de lá se achando a pessoa mais infeliz do mundo, o Espírito mais atrasado que pudesse pensar.

A palestra fora centrada, única e exclusivamente, no tema de que “nós somos pequeninos demais e nada ainda fizemos no mundo para nossa evolução espiritual”.

Mas, por que a perplexidade daquela senhora? Porque ela fazia a famosa caridade com o que podia e ouviu que aquilo ainda era muito pouco, de nenhuma serventia.

É lamentável que as pessoas, nas tribunas espíritas, façam apologia da dor!

Sim, sabemos que somos espíritos que falimos muito em nosso passado espiritual, mas isso não significa que não possamos crescer nesta vida. Muito pelo contrário, estamos reencarnados para evoluir. Se a dor nos bate a porta é por uma contingência evolutiva, não porque, somente através dela poderemos conquistar a felicidade.

É a mesma história de dizer que “todos chegamos ao Centro Espírita pela dor”, o que é uma deslavada mentira: centenas de pessoas chegaram ao Centro Espírita por outros caminhos que não a dor. É bem verdade que, muitas outras centenas chegaram arrastadas, aos prantos, em profundas crises morais e espirituais, mas afirmar que todos nós chegamos assim é exagero.

Qual é o título que damos ao Espiritismo? Consolador Prometido! Não é “desconsolador terrível”.

Imagine que você vai ao Centro Espírita pela primeira vez e tangido, nesse caso, pelo sofrimento que o envolve, seja ele qual for e, ao invés de ouvir a palavra consoladora da Boa Nova, sob a ótica do Espiritismo Cristão, ouve uma pregação aterradora para seus ouvidos: Ta sofrendo? Ainda é pouco! Imagine quando morrer e chegar no umbral, porque, todos nós passaremos por lá!

Já tivemos oportunidade ouvir palestrantes muito bons, mas cujas palestras eram apologias à dor, sem um mínimo espaço para a esperança, para o crescimento individual, ou por outra, você poderá até crescer, mas tem de sofrer meu irmão!

Não se pode rir, ser feliz, viver a vida e vem aquele triste ditado: “ah, ta feliz assim, é porque vem desgraça por aí!”

Tribuna Espírita não é filme de terror, não! É local de esclarecimento e de transmissão da Boa Nova do Evangelho.

Ah, mas Jesus terminou na cruz! E todos temos a nossa cruz! Mas até Jesus teve um Simão Cirineu na vida, teve momentos de festividades, como nas bodas de Cana e, nunca, mas nunca mesmo passou ao povo sofrido a idéia de que eles tinham de sofrer ainda mais. Muito pelo contrário: passou sempre uma mensagem de esperança aos mais sofredores: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” 02

VINDE A MIM: Jesus convida a todos para o procurarem, irem até Ele, porque sabe que somente Ele tem condições de aliviar as pessoas. Ele não teme que as pessoas o procurem. Ele as chama docemente: vinde a mim...

TODOS OS QUE ESTAIS CANSADOS E OPRIMIDOS: Ele chama a si os sofredores do mundo e para quê? Para dar uma maior carga de sofrimento? Para dizer: “vocês sofrem hoje e continuarão sofrendo ainda mais porque são pecadores. Não tem jeito! Vão continuar sofrendo!” Evidente que não!

E EU VOS ALIVIAREI: aqui a sentença final das suas palavras: Ele nos aliviará, dessedentará a nossa sede; Ele não joga mais culpa e peso sobre nossos ombros. Simplesmente irá nos aliviar.

Percebemos, então, que Jesus não tem a preocupação de aumentar nossas dores e tristezas, como tem feito alguns oradores meio que desavisados nas tribunas Espíritas.

Quando vamos ao Centro Espírita, estamos também indo ao encontro de Jesus para que sejamos aliviados de nossas opressões morais e espirituais.

Meditemos nisso.

01 - Paulo, 1º Corintios, 15:33
02 - Mateus, 11: 28



sábado, 5 de setembro de 2009

Palestra de abertura da 41ª Semana Espírita de Garanhuns

Nós estaremos realizando a palestra de abertura da 41ª Semana Espírita de Garanhuns, na Seara Espírita Chico Xavier, com o tema da palestra "JESUS, MODELO E GUIA".

sábado, 29 de agosto de 2009

André Trigueiro lança seu livro ESPIRITISMO E ECOLOGIA


Dia 12/09/2009, sábado, das 18:30h às 20:30h, no Auditório Euclides da Cunha, Pavilhão Azul nº 03, atrás do café literário – Riocentro – Rio de Janeiro, lançamento e debate na Bienal do Livro com André Trigueiro, do seu livro ESPIRITISMO E ECOLOGIA.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

2012 –O que diz o Espiritismo

Recebi recentemente um e-mail onde o autor perguntava o que o Espiritismo diz a respeito de 2012 que, “segundo os Maias, seria o ano em que o planeta se tornaria um mundo de regeneração”.

Bem, sobre isso o Espiritismo não diz nada, porque não é ensinamento Espírita, nem encontra em seus postulados esse tipo de informação, senão vejamos:

7ª Podem os Espíritos dar-nos a conhecer o futuro?
Se o homem conhecesse o futuro, descuidar-se-ia do presente.

É esse ainda um ponto sobre o qual insistis sempre, no desejo de obter uma resposta precisa. Grande erro há nisso, porquanto a manifestação dos Espíritos não é um meio de adivinhação. Se fizerdes questão absoluta de uma resposta, recebê-la-eis de um Espírito doidivanas, temo-lo dito a todo momento.

8ª Não é certo, entretanto, que, às vezes, alguns acontecimentos futuros são anunciados espontaneamente e com verdade pelos Espíritos?

Pode dar-se que o Espírito preveja coisas que julgue conveniente revelar, ou que ele tem por missão tornar conhecidas; porém, nesse terreno, ainda são mais de temer os
Espíritos enganadores, que se divertem em fazer previsões. Só o conjunto das circunstâncias permite se verifique o grau de confiança que elas merecem.

11ª Por que, quando fazem pressentir um acontecimento, os Espíritos sérios de ordinário não determinam a data? Será porque o não possam, ou porque não queiram?

Por uma e outra coisa. Eles podem, em certos casos, fazer que um acontecimento seja pressentido: nessa hipótese, é um aviso que vos dão. Quanto a precisar-lhe a época, é freqüente não o deverem fazer. Também sucede com freqüência não o poderem, por não o saberem eles próprios. Pode o Espírito prever que um fato se dará, mas o momento exato pode depender de acontecimentos que ainda se não verificaram e que só Deus conhece. Os Espíritos levianos, que não escrupulizam de vos enganar, esses determinam os dias e as horas, sem se preocuparem com que o fato predito ocorra ou não. Por isso é que toda predição circunstanciada vos deve ser suspeita.
[...] Jamais será enganado aquele que aos Espíritos superiores pedir a sabedoria; não acrediteis, porém, que percamos o nosso tempo em ouvir as vossas futilidades [...].

A Providência pôs limite às revelações que podem ser feitas ao homem. Os Espíritos sérios guardam silêncio sobre tudo aquilo que lhes é defeso revelarem. [...]
[1] (grifos meus)


Ainda podemos encontrar mais esclarecimento nesta transcrição:

868. Pode o futuro ser revelado ao homem?

Em princípio, o futuro lhe é oculto e só em casos raros e excepcionais permite Deus que seja
revelado.

869. Com que fim o futuro se conserva oculto ao homem?

Se o homem conhecesse o futuro, negligenciaria do presente e não obraria com a liberdade com que o faz, porque o dominaria a idéia de que, se uma coisa tem que acontecer, inútil será ocupar-se com ela, ou então procuraria obstar a que acontecesse. Não quis Deus que assim fosse, a fim de que cada um concorra para a realização das coisas, até daquelas a que desejaria opor-se. Assim é que tu mesmo preparas muitas vezes os acontecimentos que hão de sobrevir no curso da tua existência.

870. Mas, se convém que o futuro permaneça oculto, por que permite Deus que seja revelado algumas vezes?

Permite-o, quando o conhecimento prévio do futuro facilite a execução de uma coisa, em vez de a estorvar, obrigando o homem a agir diversamente do modo por que agiria, se lhe não fosse feita a revelação. Não raro, também é uma prova. [...] (grifos meus)
[2]

Ou seja, não é escopo do Espiritismo estudar o futuro dos acontecimentos, de uma forma geral. Isso pode acontecer, evidentemente, mas não da forma como as pessoas desejariam, pois como os próprios Espíritos deixam claro, “[...] se o homem conhecesse o futuro, negligenciaria do presente e não obraria com a liberdade [...]”.

Já de outra feita escrevemos artigos falando sobre o tema do fim do mundo, tão decantado por determinados grupos de pessoas e que insistem em colocar tal conceituação dentro da Doutrina Espírita.

O preclaro Espírito de Emmanuel já se manifesta a respeito do assunto:

14 — Como compreender a afirmativa dos astrônomos relativamente à morte térmica do planeta?

— É certo que todo organismo material se transformará, um dia, revestindo novas formas. As energias do Sol, como as forças telúricas do orbe terrestre, serão esgotadas aqui, para surgirem noutra parte. [...]

Já se disse, porém, que a vida é o eterno presente. E o nosso primeiro dever não é o de contar o tempo, demarcando, em bases inseguras, a duração das obras conhecidamente sagradas para as edificações definitivas do nosso espírito, às quais são inacessíveis a todas as transformações da matéria, em face do Infinito.
[3] (grifo meu)
Compreendemos, então, que nossa maior necessidade é a reforma íntima, que propiciará a reforma de todo o planeta, pois que, à medida que retornarmos para este mundo reformados, melhorados, mais evangelizados, naturalmente, o planeta sairá da condição de mundo de expiações e provas e passará a ser um mundo de regeneração, onde:



De tudo o que foi exposto, concluímos que é de bom senso não aceitar tais teorias, que não passam pelo crivo da análise espírita e continuar nosso trabalho de reforma moral, tão importante para a nossa vida, para a nossa condição de Espíritos rebeldes.

[1] - KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns. Rio de Janeiro: FEB, 1996, 62. ed. cap. XXVI, item 289, p.381
[2] - KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 1995,76. ed. Cap. X, Q. 868/870, pp.396/397
[3] - XAVIER, Francisco Cândido, Espírito de Emmanuel. O Consolador. Rio de Janeiro: FEB AAA, XX. Ed. 1ª Parte, Q. 14
[4] - KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 1996, 112.ed. Cap, 3 nº 17, p.79

A alma penitente encontra neles a calma e o repouso e acaba por depurar-se. Sem dúvida, em tais mundos o homem ainda se acha sujeito às leis que regem a matéria; a Humanidade experimenta as vossas sensações e desejos, mas liberta das paixões desordenadas de que sois escravos, isenta do orgulho que impõe silêncio ao coração, da inveja que a tortura, do ódio que a sufoca. Em todas as frontes, vê-se escrita a palavra amor; perfeita equidade preside às relações sociais, todos reconhecem Deus e tentam caminhar para Ele, cumprindo-lhe as leis. [4]

POR QUE MELINDRAMOS OS OUTROS?

Bastante decantado o problema do melindre em nossos arraiais: não devemos nos melindrar; cuidado com o melindre; fulano se melindra facilmente, e assim por diante.

Conceituemos, primeiramente, o vocábulo melindre, que no famoso Aurélio recebe as seguintes definições:
[Do esp. melindre.] Substantivo masculino. 1.Delicadeza no trato; amabilidade. 2. Hesitação de consciência; escrúpulo. 3. Recato, pudor. 4. Facilidade de magoar-se, de ofender-se; suscetibilidade. 5. Coisa frágil, delicada. 6. Bot. V. aspargo (1). [Var., nesta acepç.: melindro.] 7. Bolo em que entra mel. 8. Bras. Afetação, amaneiramento. [Cf. melindre, do v. melindrar.] ~ V. melindres. (grifo meu) [1]

O que mais nos interessa aqui é o nº 4: “facilidade de magoar-se, de ofender-se; suscetibilidade.” Quem não os tem? Atire a primeira pedra quem nunca se melindrou, em qualquer ambiente ou situação.

É, ainda, um traço negativo da nossa personalidade espiritual, que vem nos acompanhando durante séculos, refletindo a nossa imperfeição moral.

Inegavelmente, os Espíritos Amigos nos advertem para evitarmos tal comportamento, através do exercício da humildade, que não se conquista da noite para o dia, sem falarmos de nós mesmo que sempre que temos a oportunidade, apontamos o dedo em riste para salientar tal situação nos nossos companheiros.

Mas o objetivo desse artigo não é chover no molhado, mas sim, fazer um questionamento, como o próprio título sugere: por que melindramos os outros?

Sim, porque costumamos cobrar do próximo uma atitude contrária ao melindre, mas por que insistimos em atacá-lo e não queremos que se melindre, se ele ainda está em processo de evolução tanto quanto nós outros?

Devemos cobrar que as pessoas não se melindrem? Sim, acredito que sim, mas devemos ter em mente também, que não devemos provocar melindres, seja por atos ou palavras, em nosso próximo e, geralmente, ao melindrarmos o próximo, queremos que ele esteja em um nível no qual não seja atingido pelo ataque do melindre.

Vejamos um caso real: uma determinada pessoa, em uma instituição Espírita chegou para ajudar em determinada atividade e recebeu o seguinte comentário: “Gente demais atrapalha. Não precisamos de mais ninguém!” — ora, evidentemente que saiu “melindrada”. Perguntar-se-á: mas teria razão para tal? Certamente que, dentro dos ensinamentos Espíritas e Evangélicos, que não. Deveria perdoar e seguir em frente.

Agora, a pergunta que não quer calar: havia necessidade de um comentário desses? Claro que não. A pessoa poderia ter dito: “Realmente aqui já temos gente suficiente para tal atividade. Você poderia nos ajudar em outra?” ao invés de “não precisamos de mais ninguém!”

Fica aqui a nossa lembrança: não devemos nos melindrar, mas também não devemos melindrar ninguém.

[1] - Dicionário Eletrônico Aurélio.

domingo, 14 de junho de 2009

Provações Coletivas – por quê?

Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil.01
Digo-te que não sairás dali enquanto não pagares o derradeiro ceitil. 02
A Doutrina Espírita ou Espiritismo Cristão da atualidade trouxe-nos uma nova visão sobre a nossa existência na Terra, como Consolador Prometido por Jesus 03,
que veio para “para ensinar todas as coisas e para relembrar o que o Cristo há dito”. 04 Assim:

[...] o Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador prometido: conhecimento
das coisas, fazendo que o homem saiba donde vem, para onde vai e por que está na Terra; atrai
para os verdadeiros princípios da lei de Deus e consola pela fé e pela esperança. 05


Ultimamente, temos sido abalados por notícias chocantes que nos deixam perplexos diante de tanta dor e angústia a começar pelo tsunami 06 de 2004, onde mais de 200.000 pessoas desencarnaram de uma só vez. Tivemos acidentes de avião onde centenas de pessoas desencarnaram de forma dolorosa, crianças que morreram queimadas em creches e orfanatos, acidentes com veículos onde famílias inteiras morrem; terremotos, furações, verdadeiros desastres naturais, onde a força humana nada é diante da fúria da natureza.
Para aqueles que não admitem a palingenesia 07, assim como a própria mídia falam de tragédias, como as ocorridas com a aviação atualmente, ou como os acidentes com as crianças no México e no Brasil, onde morreram em incêndios, utilizando o termo “fatalidade”. Mas, fica a pergunta: por que justamente com aquelas pessoas? Qual a razão da morte chocante de crianças como a que ocorreu no México recentemente?
A Doutrina Espírita esclarece que não renascemos na Terra para sofrer, mas para evoluir. O sofrimento é apenas conseqüência de nossos atos contrários à Lei de Deus, que está escrita “na consciência”. 08
Podemos resgatar nossos erros do passado de diversas formas, não necessariamente pelo sofrimento. Existem, porém, situações em que o imperativo da dor, do resgate doloroso se faz imprescindível, senão vejamos:
Imaginemos que fossem analisar as origens da provação a que seacolheram os acidentados de hoje... Surpreenderiam, decerto, delinqüentes que, em outras épocas, atiraram irmãos indefesos do cimo de torres altíssimas, para que seus corpos se espatifassem no chão; companheiros que, em outro tempo, cometeram hediondos crimes sobre o dorso do mar, pondo a pique existências preciosas, ou suicidas que se despenharam de arrojados edifícios ou de picos agrestes, em supremo atestado de rebeldia, perante a Lei, os quais, por enquanto, somente encontraram recurso em tão angustioso episódio para transformarem a própria situação. Quantos milhares de irmãos encarnados possuímos nós, em cujas contas com os Tribunais Divinos figuram débitos desse jaez? 09 (grifo meu)

Assim, conforme se depreende do ensinamento dos Espíritos Amigos, esses irmãos que desencarnaram de forma dolorosa em acidentes de variegadas formas estão resgatando pesados compromissos do passado próximo ou remoto, com a única diferença que, ao invés de resgatarem
individualmente, estão reunidos com aqueles outros que trazem o mesmo tipo de compromisso, em diversas faixas etárias.
Esse ensinamento está claro na orientação dos Espíritos Reveladores:
851. Haverá fatalidade nos acontecimentos da vida, conforme ao sentido que se dá a este vocábulo? Quer dizer: todos os acontecimentos são predeterminados? E, neste caso,que vem a ser do livre-arbítrio?

A fatalidade existe unicamente pela escolha que o Espírito fez, ao encarnar, desta ou daquela prova para sofrer. Escolhendo-a, institui para si uma espécie de destino, que é a conseqüência mesma da posição em que vem a achar-se colocado. Falo das provas físicas, pois, pelo que toca às provas morais e às tentações, o Espírito, conservando o livre-arbítrio quanto ao bem e ao mal, é sempre senhor de ceder ou de resistir. Ao vê-lo fraquejar, um bom Espírito pode vir-lhe em auxílio, mas não pode influir sobre ele de maneira a dominar-lhe a vontade. Um Espírito mau, isto é, inferior, mostrando-lhe, exagerando aos seus olhos um perigo físico, o poderá abalar e amedrontar. Nem por isso, entretanto, a vontade do Espírito encarnado deixa de se conservar livre de quaisquer peias.”

852. Há pessoas que parecem perseguidas por uma fatalidade, independente da maneira por que procedem. Não lhes estará no destino o infortúnio?

São, talvez, provas que lhe caiba sofrer e que elas escolheram.
Porém, ainda aqui lançais à conta do destino o que as mais das vezes é apenas conseqüência de vossas próprias faltas
. Trata de ter pura a consciência em meio dos males que te afligem e já bastante consolado te sentirás.” 10 (grifosmeus)

Como ainda somos a grande maioria Espíritos endividados com o passado, ainda vamos ver muitas situações dessas na Terra, resgates coletivos ou não, sob as mais variadas formas, sejam naturais, sejam produzidos pelas mãos do próprio homem, cabendo aqui, a advertência de Jesus: "Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem!" 11
01 - Mateus, 5:26
02 - Lucas, 12:59
03 - KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo.Rio de Janeiro: FEB, 1996, 112. ed. Cap. VI, itens 3-4, p.128
04 - ___,___, idem, ibidem
05 - ___,___, idem, ibidem, p.129
06 - TSUNAMI: significando literalmente ondade porto) é uma onda ou uma série delas que ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, como, por exemplo, um sismo, actividade vulcânica, abrupto deslocamento de terras ou gelo ou devido ao impacto de um meteorito dentro ou perto do mar. Há quem identifique o termo com "maremoto" — contudo, maremoto refere-se a um sismo no fundo do mar, semelhante a um sismo em terra firme e que pode, de facto originar um(a) tsunami. acessado em 11/06/2009
07 - vidas sucessivas - reencarnação
08 - KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos.Rio de Janeiro: FEB, 1995, 76. ed. III Parte, Q.621
09 - XAVIER, Francisco C. Açãoe Reação. Pelo Espírito de André Luiz. Rio de Janeiro: FEB,1996,11. ed. p.246
10 - KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos.Rio de Janeiro: FEB, 1995, 76. ed. III Parte, Q.851-852
11 - Mateus, 18:7

Poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...