Pesquisar no blog

sábado, 31 de outubro de 2009

Finados

A origem do dia de Finados nos leva ao ano de 998, há mais de 1.000 anos, quando o abade da Ordem dos Beneditinos em Cluny, França, instituiu em todos os mosteiros da Ordem naquele país a comemoração dos mortos no dia 2 de novembro, culto que a Santa Sé aplaudiu e oficializou para todo o Ocidente.

Como sabemos, é um dia especial para os católicos, dia em que é costume a ida aos cemitérios para uma reverência especial aos entes queridos que partiram.
Se existem pessoas que o observam somente para atender a uma tradição, há pessoas que, inequivocamente, dedicam esse dia a uma espécie de reencontro espiritual com seus amados.

E os chamados mortos? Eles se sensibilizam com tais lembranças?

O Espiritismo afirma-nos que sim.

Ficam eles contentes e sensibilizados com a lembrança dos seus nomes. Se são pessoas felizes, essa lembrança aumenta ainda mais sua felicidade; se são infelizes, o fato constitui para eles um alívio.
No dia consagrado aos mortos, eles atendem ao apelo do pensamento dos que buscam orar sobre seus despojos, como em qualquer outro momento. Nesse dia, os cemitérios ficam repletos de Espíritos, mais do que em outros dias, porque há evidentemente em tal ocasião um número maior de pessoas que os chamam.
É um erro, porém, pensar que é a multidão de curiosos que os atrai ao campo santo. Não. Cada um que ali comparece age assim por causa de seus amigos e não pela reunião dos indiferentes que, muitas vezes, visitam os cemitérios como maneira de passar o tempo.
Reportando-se ao dia de Finados, Charles Nodier (Espírito) explica que nessa data os Espíritos vão aos cemitérios porque os pensamentos e as preces dos seres amados ali se apresentam. E aproveita para nos deixar – a nós que ainda estamos encarnados – uma lição preciosa: "Conforme a maneira por que tiverdes vivido aqui embaixo, sereis recebidos perante Deus. Que é a vida, afinal de contas? Uma curtíssima emigração do Espírito na Terra; tempo, entretanto, em que pode amontoar um tesouro de graças ou preparar-se para cruéis tormentos". (Revista Espírita de 1860, pág. 408.)
Segundo o que aprendemos no Espiritismo, não é indispensável comparecer ao cemitério para homenagear o ente querido que partiu. A visita ao túmulo é um modo de manifestar que se pensa no Espírito ausente – serve de imagem –, mas é a prece que santifica o ato de lembrar, pouco importando o lugar, se ela é ditada pelo coração.
Isso significa que as pessoas impedidas de locomover-se, seja pelas condições de saúde, seja pela idade avançada, poderão enviar pelas ondas poderosas do pensamento o seu abraço, a sua vibração, o seu carinho aos entes queridos que voltaram à pátria espiritual antes de nós.

Espiritismo na TV Globo

Como desdobramento da série "Fantástico" que a TV Globo tem levado ao ar (2a. a 6a. feira, às 6h05 e domingo, às 6h50), o programa "Mais Você", da apresentadora Ana Maria Braga, tem feito entrevistas com os apresentadores de cada religião. No dia 6 de novembro - 6a. feira, a partir das 8h30,- será a vez de focalizar o Espiritismo com a participação do ator Carlos Vereza e entrevista com o diretor da FEB Cesar Perri. (foto)

Fonte: Site da Federação Espírita Brasileira - acesso em 31/10/2009 às 10:31h.


LANÇAMENTO DVD SEMENTE ACUSTICO, 10 ANOS!

Nos dias 7 e 8 de novembro, no FORUM DE DEBATES ESPÍRITAS DE PERNAMBUCO - FORESPE 2009, no Centro de Convenções, em Olinda/PE, não perca!!!

Para conhecer mais sobre o Grupo Semente, acesse o site: http://www.gruposemente.com/.

Música Espírita de qualidade!

sábado, 24 de outubro de 2009

Apometria não é Espiritismo

Obsessor e obsidiado são criaturas enfermas que precisam do carinho e da atenção dos que se dedicam à desobsessão; se estes ingredientes faltarem, estaremos diante de algo que difere do Espiritismo codificado por Kardec.

Um dos meus irmãos consanguíneos mais queridos, que desencarnou em Curitiba dez anos atrás, foi durante certo tempo entusiasta das ideias do Dr. José Lacerda acerca da apometria, um termo que poucos conheciam àquela época e que, obviamente, não suscitava as discussões que hoje se tornaram frequentes no meio espírita.

Passando alguns dias em sua casa, o que era então muito comum em face dos meus compromissos profissionais, pude ler o que, segundo meu irmão, era a obra mais importante do Dr. Lacerda acerca do assunto. A leitura exigiu poucas horas, mas me deixou intrigado porque a ritualística então sugerida feria um dos princípios conhecidos da prática espírita, que é a completa ausência de rituais. Minha estranheza inicial decorria do fato de que, no tocante ao tema desobsessão, além de todas as obras que falam com profundidade sobre o método e a finalidade da prática espírita, ninguém pode ignorar a singeleza do que Kardec escreveu, primeiro na Revista Espírita, depois em O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. 28, itens 81 e seguintes.

A metodologia espírita, exposta ali pelo Codificador, é por demais simples e pode ser resumida num conceito conhecido: - Não se resolve o problema da obsessão sem cuidarmos do agente e do paciente. A proposta exorcista, tão comum em certa época no meio católico e no seio das igrejas protestantes, é absolutamente ineficaz, como ineficaz é a prática umbandista quando pretenda tão-somente o afastamento dos litigantes.

Sintetizando o que inúmeros autores já escreveram, Suely Caldas Schubert nos diz em sua obra Obsessão/Desobsessão (1ª Parte, cap. 14, págs. 76 e 77) que para atendermos ao obsidiado é necessário socorrer simultaneamente toda a falange de algozes que o cerca. Aos poucos essas entidades menos felizes são atraídas para a reunião de desobsessão, de tal modo que, quando o chefe da turba se comunica, quase todos os seus prepostos já foram atendidos e encaminhados.

Obsessor e obsidiado são criaturas enfermas e, como tal, merecem o carinho e a atenção dos que se dedicam a esse mister. Se estes ingredientes faltarem à prática desobsessiva, estaremos diante de outra coisa, mas não do Espiritismo codificado por Kardec.

As práticas da apometria estão em total desacordo com as recomendações de O Livro dos Médiuns

Eis o que o conhecido confrade Divaldo Franco disse sobre a Apometria, em palestra proferida em agosto de 2001, conforme registrado pelo programa Presença Espírita da Rádio Boa Nova, disponível em http://www.oespiritismo.com.br/textos/ver.php?id1=91 na internet:

“O médico carioca residente em Porto Alegre Dr. José Lacerda desde os anos 50, espírita que era então, começou a realizar numa pequena sala do Hospital Espírita de Porto Alegre, chamada A Casa do Jardim, atividades mediúnicas normais. Com o tempo ele recebeu instruções dos Espíritos e realizou investigações pessoais que desaguaram em um movimento ao qual ele deu o nome de Apometria.

Não irei entrar no mérito nem no estudo da apometria porque eu não sou apômetra, eu sou espírita. O que posso dizer é que a apometria, segundo os apômetras, não é Espiritismo, porquanto as suas práticas estão em total desacordo com as recomendações de O Livro dos Médiuns.

Não examinaremos aqui o mérito ou demérito porque eu não pratico a apometria, mas, segundo os livros que têm sido publicados, a apometria, segundo a presunção de alguns, é um passo avançado do movimento espírita no qual Allan Kardec estaria ultrapassado. Allan Kardec foi a proposta para o século XIX e para parte do século XX e a apometria é o degrau mais evoluído no qual Allan Kardec encontra-se totalmente ultrapassado – tese com a qual, na condição de espírita, eu não concordo em absoluto.

Na prática e nos métodos de libertação dos obsessores, a violência que ditos métodos apresentam, a mim, a mim pessoalmente, me parece tão chocante que faz recordar-me da lei de Talião que Moisés suavizou com o código legal e que Jesus sublimou através do amor.

Quando as entidades são rebeldes, os doutrinadores, depois de realizarem uma contagem cabalística ou de terem o gestual muito específico, expulsam pela violência esse Espírito para o magma da Terra, a substância ainda em ebulição do nosso planeta.”

A Casa Espírita não é uma clínica alternativa, onde toda experiência nova vai colocada em execução

“Colocam-no – prossegue Divaldo – em cápsulas espaciais e o disparam para o mundo da erraticidade. Não iremos examinar a questão esdrúxula desse comportamento, mas se eu, na condição de Espírito imperfeito que sou, chegasse desesperado num lugar pedindo misericórdia e apoio na minha loucura, e outrem, o meu próximo, me exilasse para o magma da Terra, para eu experimentar a dureza de um inferno mitológico ou ser desintegrado, eu renegaria aquele Deus que inspirou esse adversário da compaixão.

Ou se me mandasse numa cápsula espacial para que fosse expulso da Terra. Com qual autoridade? Quando Jesus disse que o seu reino é dos miseráveis.

Na parábola do Festim de Bodas, ele manda buscar os mendigos, aqueles que estão nos lugares escabrosos já que os eleitos recusaram e mataram os seus embaixadores.

A Doutrina Espírita centraliza-se no amor e todas essas práticas novas, das mentalizações, das correntes mentomagnéticas, psicotelérgicas, para nós espíritas merecem todo respeito, mas não têm nada a ver com Espiritismo. Seria o mesmo que as práticas da Terapia de Existências Passadas nós realizarmos dentro da casa espírita ou da cromoterapia ou da cristalterapia, fugindo totalmente da nossa finalidade.

A Casa Espírita não é uma clínica alternativa, não é lugar onde toda experiência nova vai colocada em execução.

Tenho certeza de que aqueles que adotam esses métodos novos, primeiro, não conhecem as bases kardequianas e, ao conhecerem-nas, nunca as vivenciaram para terem certeza. Isso seria desmentir todo o material revelado pelo mundo espiritual nestes 144 anos de codificação, no Brasil e no mundo, pela mediunidade incomparável de Chico Xavier, as informações que vieram por esse médium ímpar, pela notável Yvonne do Amaral Pereira, por Zilda Gama, por tantos médiuns nobres conhecidos e nobres desconhecidos no seu trabalho de socorro.

Então se alguém prefere a apometria, divorcie-se do Espiritismo. É um direito! Mas não misture para não confundir. A nossa tarefa é de iluminar, não é de eliminar. O Espírito mau, perverso, cruel, é nosso irmão na ignorância.”

Os métodos da apometria são bastante chocantes para a nossa mentalidade espírita

Na parte final de sua fala, Divaldo assim se expressou:

“Poderia haver alguém mais cruel do que o jovem Saulo de Tarso? Ele havia assassinado Estêvão a pedradas, havia assassinado outros, e foi a Damasco para assassinar Ananias. Jesus não o colocou numa cápsula espacial e o disparou para o infinito. Apareceu a ele! Conquistou-o pelo amor: ‘Saulo, Saulo, por que me persegues?’ Pode haver maior ternura nisso? E ele tomado de espanto perguntou: ‘Que é isto?’ ‘– Eu sou Jesus, aquele a quem persegues’. E ele então caiu em si.

Emmanuel usa esta frase: E caindo em si, quer dizer aquela capa do ego cedeu lugar ao encontro com o ser profundo, caindo em si. Ele despertou, e graças a ele nós conhecemos Jesus pela sua palavra, pelas suas lutas, pelo alto preço que pagou, apedrejado várias vezes até ser considerado morto, jogado por detrás dos muros nos lugares do lixo, dos dejetos ele foi resgatado pelos amigos e continuou pregando.

Então os Espíritos perversos merecem nossa compaixão e não nosso repúdio. Coloquemo-nos no lugar deles.” (...) “Não temos nada contra a Apometria, as correntes mentomagnéticas, aquelas outras de nomes muito esdrúxulos e pseudocientíficos. Não temos nada. Mas, como espíritas, nós deveremos cuidar da proposta Espírita. E da minha condição de espírita exercendo a mediunidade há mais de 54 anos, os resultados têm sido todos colhidos da árvore do amor e da caridade.

Não entrarei no mérito dos métodos, que são bastante chocantes para a nossa mentalidade espírita, que não admite ritual, gestual, gritaria, nem determinados comportamentos, porque a única força é aquela que vem de dentro. Para esta classe de Espíritos são necessários jejum e oração.”

Fonte:
ASTOLFO O. DE OLIVEIRA FILHO
Londrina, Paraná (Brasil)

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Revista Reformador da FEB no Portal Garanhuns Espírita

Inserimos, para download, a coleção da Revista Espírita Reformador do ano de 2006 no Portal Garanhuns Espírita.

Os arquivos estão em PDF. Em breve serão incluidos os anos seguintes.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Grupo Semente de Música Espírita abre vaga para novos integrantes

Olá, amigos e amigas! O Grupo Semente de Música Espírita informa que está abrindo seleção para a inclusão de dois novos integrantes em seu quadro. Uma das vagas é especificamente para um vocal feminino. Estamos precisando também de um instrumentista que toque violão e/ou percussão.


Lembramos que o trabalho do Grupo Semente é o de divulgar os ensinos de Jesus utilizando a música como esse instrumento, sendo acima de tudo, um trabalho com características energética e harmônica. Por isso, alguns pré-requisitos se fazem necessários àqueles que desejarem se integrar ao nosso trabalho:
- ter idade mínima de 18 anos;
- musicalidade;
- estar engajado em alguma instituição do movimento Espírita;
- ter afinidade com a proposta do Grupo;
- responsabilidade e freqüência com o trabalho;
- disponibilidade para viajar.

O “Semente” ensaia às segundas-feiras à noite, das 19h30 às 21h40, em Jardim Atlântico, Olinda. Importante ressaltar que é um trabalho filantrópico, onde nenhum integrante recebe qualquer pagamento pelo que faz. Apesar dessa característica, todos os componentes possuem compromisso com o trabalho abdicando, quando necessário, de finais de semana ou momentos de lazer.

O que recebemos em troca? O prazer de servir, um aprendizado constante acerca de nós mesmos e da doutrina, a criação de laços de afeto e amizade entre seus integrantes e, muitas alegrias sempre que levamos a mensagem de Jesus aos corações abertos para recebê-la.

Se você deseja se integrar a essa família baixe o formulário clicando aqui, preencha e o encaminhe para os e-mails: awtorres@hotmail.com / eladioleo@gmail.com.

Lembramos que todos os interessados passarão por um período de experiência com o grupo, sem compromisso, possivelmente nos meses de novembro, dezembro e janeiro.

Um grande abraço!

Grupo Semente de Música Espírita 

sábado, 3 de outubro de 2009

Conheça o Espiritismo


Conheça o Espiritismo

ESPIRITISMO, UMA NOVA ERA PARA A HUMANIDADE


DEUS,

INTELIGÊNCIA SUPREMA,
CAUSA PRIMEIRA DE TODAS AS COISAS


JESUS,

O GUIA E MODELO


KARDEC,

A BASE FUNDAMENTAL


- O LIVRO DOS ESPÍRITOS - Clique aqui e baixe-o para seu PC ou clique aqui e acesse-o em html.

- O LIVRO DOS MÉDIUNS - Clique aqui e baixe-o para seu PC ou clique aqui e acesse-o em html.

- O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - Clique aqui e baixe-o para seu PC ou clique aqui e acesse-o em html.

- O CÉU E O INFERNO - Clique aqui e baixe-o para seu PC.

- A GÊNESE
- Clique aqui e baixe-o para seu PC ou clique aqui e acesse-o em html.



"FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO"

Caridade: benevolência para com todos, indulgência para
as imperfeições dos outros, perdão das ofensas. (LE, 886)

Conselho Espírita InternacionalFederação Espírita Brasileira

DOUTRINA ESPÍRITA ou ESPIRITISMO
O que é
  • É o conjunto de princípios e leis, revelados pelos Espíritos Superiores, contidos nas obras de Allan Kardec que constituem a Codificação Espírita: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese.

  • “O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal.” Allan Kardec (O que é o Espiritismo – Preâmbulo)


  • “O Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador prometido: conhecimento das coisas, fazendo que o homem saiba donde vem, para onde vai e por que está na Terra; atrai para os verdadeiros princípios da lei de Deus e consola pela fé e pela esperança.” Allan Kardec (O Evangelho segundo o Espiritismo – cap. VI – 4)
O que revela
  • Revela conceitos novos e mais aprofundados a respeito de Deus, do Universo, dos Homens, dos Espíritos e das Leis que regem a vida.


  • Revela, ainda, o que somos, de onde viemos, para onde vamos, qual o objetivo da nossa existência e qual a razão da dor e do sofrimento.

Sua abrangência

  • Trazendo conceitos novos sobre o homem e tudo o que o cerca, o Espiritismo toca em todas as áreas do conhecimento, das atividades e do comportamento humanos, abrindo uma nova era para a regeneração da Humanidade.

  • Pode e deve ser estudado, analisado e praticado em todos os aspectos fundamentais da vida, tais como: científico, filosófico, religioso, ético, moral, educacional, social.

Seus ensinos fundamentais

  • Deus é a inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas. é eterno, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom.


  • O Universo é criação de Deus. Abrange todos os seres racionais e irracionais, animados e inanimados, materiais e imateriais.

  • Além do mundo corporal, habitação dos Espíritos encarnados, que são os homens, existe o mundo espiritual, habitação dos Espíritos desencarnados.

  • No Universo há outros mundos habitados, com seres de diferentes graus de evolução: iguais, mais evoluídos e menos evoluídos que os homens.

  • Todas as leis da Natureza são leis divinas, pois que Deus é o seu autor. Abrangem tanto as leis físicas como as leis morais.

  • O homem é um Espírito encarnado em um corpo material. O perispírito é o corpo semimaterial que une o Espírito ao corpo material.

  • Os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Constituem o mundo dos Espíritos, que preexiste e sobrevive a tudo.

  • Os Espíritos são criados simples e ignorantes. Evoluem, intelectual e moralmente, passando de uma ordem inferior para outra mais elevada, até a perfeição, onde gozam de inalterável felicidade.

  • Os Espíritos preservam sua individualidade, antes, durante e depois de cada encarnação.

  • Os Espíritos reencarnam tantas vezes quantas forem necessárias ao seu próprio aprimoramento.

  • Os Espíritos evoluem sempre. Em suas múltiplas existências corpóreas podem estacionar, mas nunca regridem. A rapidez do seu progresso intelectual e moral depende dos esforços que façam para chegar à perfeição.

  • Os Espíritos pertencem a diferentes ordens, conforme o grau de perfeição que tenham alcançado: Espíritos Puros, que atingiram a perfeição máxima; Bons Espíritos, nos quais o desejo do bem é o que predomina; Espíritos Imperfeitos, caracterizados pela ignorância, pelo desejo do mal e pelas paixões inferiores.

  • As relações dos Espíritos com os homens são constantes e sempre existiram. Os bons Espíritos nos atraem para o bem, sustentam-nos nas provas da vida e nos ajudam a suportá-las com coragem e resignação. Os imperfeitos nos induzem ao erro.

  • Jesus é o guia e modelo para toda a Humanidade. E a Doutrina que ensinou e exemplificou é a expressão mais pura da Lei de Deus.

  • A moral do Cristo, contida no Evangelho, é o roteiro para a evolução segura de todos os homens, e a sua prática é a solução para todos os problemas humanos e o objetivo a ser atingido pela Humanidade.

  • O homem tem o livre-arbítrio para agir, mas responde pelas conseqüências de suas ações.

  • A vida futura reserva aos homens penas e gozos compatíveis com o procedimento de respeito ou não à Lei de Deus.

  • A prece é um ato de adoração a Deus. Está na lei natural e é o resultado de um sentimento inato no homem, assim como é inata a idéia da existência do Criador.

  • A prece torna melhor o homem. Aquele que ora com fervor e confiança se faz mais forte contra as tentações do mal e Deus lhe envia bons Espíritos para assisti-lo. é este um socorro que jamais se lhe recusa, quando pedido com sinceridade.

--- o ---

PRÁTICA ESPÍRITA

  • Toda a prática espírita é gratuita, como orienta o princípio moral do Evangelho: “Dai de graça o que de graça recebestes”.


  • A prática espírita é realizada com simplicidade, sem nenhum culto exterior, dentro do princípio cristão de que Deus deve ser adorado em espírito e verdade.

  • O Espiritismo não tem sacerdotes e não adota e nem usa em suas reuniões e em suas práticas: altares, imagens, andores, velas, procissões, sacramentos, concessões de indulgência, paramentos, bebidas alcoólicas ou alucinógenas, incenso, fumo, talismãs, amuletos, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais ou quaisquer outros objetos, rituais ou formas de culto exterior.

  • O Espiritismo não impõe os seus princípios. Convida os interessados em conhecê-lo a submeterem os seus ensinos ao crivo da razão, antes de aceitá-los.

  • A mediunidade, que permite a comunicação dos Espíritos com os homens, é uma faculdade que muitas pessoas trazem consigo ao nascer, independentemente da religião ou da diretriz doutrinária de vida que adotem.

  • Prática mediúnica espírita só é aquela que é exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã.

  • O Espiritismo respeita todas as religiões e doutrinas, valoriza todos os esforços para a prática do bem e trabalha pela confraternização e pela paz entre todos os povos e entre todos os homens, independentemente de sua raça, cor, nacionalidade, crença, nível cultural ou social. Reconhece, ainda, que “o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza”.

--- o ---

“Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei.”

--- o ---

“Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.”

--- o ---

O estudo das obras de Allan Kardec é fundamental
para o correto conhecimento da Doutrina Espírita.
Todos que desejarem podem solicitar o material informativo "Divulgue o Espiritismo" e "Conheça o Espiritismo" à FEB pelo e-mail secretaria@febrasil.org.br . Estes lhes serão enviados gratuitamente.



Fonte: Material informativo extraído do Site da Federação Espírita Brasileira - http://www.garanhunsespirita.com.br/modules.php?name=Web_Links&l_op=visit&lid=1

Poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...