sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

MAGNETISMO EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS (Parte IV)

MAGNETISMO EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS
(Parte IV)

483 - Qual a causa da insensibilidade física que se observa em alguns convulsionários, assim como em outros indivíduos submetidos às mais atrozes torturas?
Em alguns é, exclusivamente, efeito do magnetismo, que atua sobre o sistema nervoso, do mesmo modo que certas substâncias.
Em outros, a exaltação do pensamento embota a sensibilidade.Dir-se-ia que nestes a vida se retirou do corpo, para se concentrar toda no Espírito. Não sabeis que, quando o Espírito está vivamente preocupado com uma coisa, o corpo nada sente, nada vê e nada ouve ?” (Destaquei)

Ainda estudando a questão dos convulsionários, Kardec nos apresenta esta pergunta, em face do seu interesse no assunto e a resposta dos Espíritos é bastante clara, sem margens a dúvidas sobre o tema.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

XXX ENGAJE / 2019

E vem aí o XXX ENGAJE - ENCONTRO GARANHUENSE DE JORNADA ESPÍRITA, promovido pela SEAK - Seara Espírita Allan Kardec.

Clique em "leia mais" para ver a programação:

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Das Leis Morais - palestra de Luciano Fábio (parte I)

Luciano Fábio, Coordenador do Tratamento do Passe Magnético, magnetizador do CEDE Joanna de Angelis e Youtuber, realiza palestra com a temática "Das Leis Morais".

Vale a pena assistir.


MAGNETISMO EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS (Parte III)


MAGNETISMO EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS
(Parte III)

481 - Desempenham os Espíritos algum papel nos fenômenos que se dão com os indivíduos chamados convulsionários?
“Sim e muito importante, bem como o magnetismo, que é a causa originária de tais fenômenos. O charlatanismo, porém, os tem amiúde explorado e exagerado, de sorte a lançá-los ao ridículo.”

Continuando a minissérie de artigos sobre o magnetismo em O Livro dos Espíritos, topamos com a questão 481, onde Allan Kardec questiona sobre os convulsionários.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

MAGNETISMO EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS (Parte II)


MAGNETISMO EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS
(Parte II)
388 - Os encontros, que costumam dar-se, de algumas pessoas e que comumente se atribuem ao acaso, não serão efeito de uma certa relação de simpatia?“Entre os seres pensantes há ligação que ainda não conheceis. O magnetismo é o piloto desta ciência, que mais tarde compreendereis melhor.

No artigo anterior, deixei algumas perguntas no ar, justamente em face da afirmativa de Allan Kardec, que diz que “Os adeptos do Espiritismo, ao contrário, são todos partidários do magnetismo; todos admitem a sua ação e reconhecem nos fenômenos sonambúlicos uma manifestação da alma.” (1)

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

MAGNETISMO EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS (Parte I)


MAGNETISMO EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS
(Parte I)

424. Por meio de cuidados dispensados a tempo, podem reatar-se laços prestes a se desfazerem e restituir-se à vida um ser que definitivamente morreria se não fosse socorrido?

“Sem dúvida e todos os dias tendes a prova disso. O magnetismo, em tais casos, constitui, muitas vezes, poderoso meio de ação, porque restitui ao corpo o fluido vital que lhe falta para manter o funcionamento dos órgãos.

Quando Allan Kardec estuda a letargia, catalepsia e mortes aparentes em O Livro dos Espíritos, ele insere a questão 424.

A resposta dada pelos Espíritos é extraordinária!

CRIVO KARDEQUIANO

Fazendo aplicação destes princípios de ecletismo às comunicações que nos são dirigidas, diremos que, sobre três mil e seiscentas, há mais de três mil de uma moralidade irrepreensível e excelentes como fundo, mas que sobre esse número não há senão trezentas para a publicidade, e apenas cem de um mérito sem paralelo. Essas comunicações nos tendo vindo de um grande numero de pontos diferentes, disso inferimos que essa proporção deve ser quase real. Pode-se julgar por aí da necessidade de não publicar inconsideradamente tudo o que vem dos Espíritos.[1] (destaquei)

Só para começar este despretensioso artigo, vamos ver os números de Allan Kardec, com um pequeno gráfico, para fixar mais em nossa memória o rigor do seu crivo: